O que Beyoncé e Malala Yousafzay tem em comum? O feminismo.

por Patrícia Lima / @patilima

Malala Yousafzay, a jovem paquistanesa de 17 anos, acaba de ganhar o Nobel da Paz, o prêmio será entregue no dia 10 de dezembro em Oslo. Juro que eu adoraria estar lá, presente nesse momento tão representativo para o universo feminino. Malala é forte o suficiente para parecer mais madura do que a sua idade poderia representar. Depois de ser baleada por talibãs na cabeça, aos quinze anos de idade, ganhou destaque internacional por assumir a batalha pela educação para as meninas do seu país. Virou um ícone da volta de um velho movimento: o feminismo. Contrapondo a imagem de Malala, temos a força pop de Beyoncé assinando, quase como mote da sua turnê, a defesa por igualdade de direitos. Em seu telão de alta definição, uma mensagem gráfica aparece defendendo o feminismo, uma forte influência para as mulheres do mundo todo. Há ainda outra celebridade que ganhou muito destaque pelo discurso inspirador  na ONU como embaixadora da campanha #Heforshe, a britânica Emma Watson. Tanto a atriz quanto Malala, nos proporcionaram discursos históricos, daqueles com direto a aplausos fervorosos com o público em pé, como aparecem no final feliz de um filme (sugiro realmente que vocês vejam os vídeos dos discursos).

Mas aonde quero chegar com isso tudo? Quando vejo essa movimentação de comportamento da sociedade, me pergunto se a moda está acompanhando na mesma velocidade e entregando a essa mulher globalizada o produto que ela busca. Se ao adquirir um produto, a comunicação desse produto está a altura dos desejos que ela carrega dentro dela. Dessa colcha de retalhos de informações, qual é a conclusão que podemos tirar desse ano que está chegando ao fim? O ano de 2014 foi  marcado pela volta do feminismo, com uma nova roupagem e novos elementos incorporados a ele. O feminismo que estamos vendo, não prega mais uma batalha contra os homens, pelo contrário, essa mulher que luta pelos seus direitos, está em busca de uma vida completa: com carreira bem sucedida, filhos, relacionamento e tempo para si.

Mas será que as marcas de moda já perceberam esse novo padrão de comportamento dessa consumidora que vem sendo bombardeada com essa informação feminista? As globais sim, mas as regionais ainda não. Vamos para o melhor exemplo que eu poderia citar aqui, temos que falar de Chanel, não dá para escapar do óbvio. No novo filme do perfume Chanel N5, que traz Gisele Bundchen como rosto da campanha, vemos um novo posicionamento apresentado. Uma comunicação assertiva para essa consumidora de quem estou falando nesse texto. Muito diferente do filme que trazia Nicole Kidman e Rodrigo Santoro há alguns anos, onde o roteiro apresentava uma mulher apaixonada, mas angustiada em escolher entre o amor e a profissão. Ela encerra o filme sozinha, mostrando que optou pela profissão. Agora a Chanel traduz essa consumidora com filhos, aparece Gisele dando beijos na filha e mandando para o colégio, e o principal, ela sai do set de fotografia para ir ao encontro do seu amor. Ou seja uma mensagem oposta a do filme de Nicole, agora a mulher quer tudo e prioriza também o relacionamento. Ainda falando de Chanel, muito se discutiu sobre a atitude da marca trazer no final do desfile o protesto pelas mãos das modelos. Sinceramente, mais uma vez a moda cumpre o seu papel de refletir comportamentos da sociedade. Foi uma forte ação promocional, mostra ao mundo que a marca confia no poder feminino de revolucionar. Será que teremos um 2015 repleto de novas formas de feminismo? De que maneira essa movimentação irá afetar a consumidora brasileira diretamente? Agora é momento de refletir e preparar estratégias para atender essa consumidora bem informada, exigente e que busca marcas que consigam compreender o seu universo. Talvez a falta de fidelidade as marcas de consumo seja reflexo de uma comunicação fraca ainda, sem a coragem  de trazer algo agregador. 

Enquanto isso o mundo verá Malala Yousafzay receber, com muita justiça, um dos maiores reconhecimentos que um ser humano pode receber da sociedade. E ela á ainda uma menina.

 

https://www.youtube.com/watch?v=5AQ4ntuUjFk

 

 

 

 

 

 

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*