Estaria a Dior se preparando para uma revolução na Moda?

 

Refletir sobre a sociedade como um todo, é hoje um dos grandes papéis daqueles que pensam, desenvolvem e estudam o futuro da moda. A pessoas estão cada vez mais interessadas e atentas à propagação de falsas ideologias e líderes globais que revogam os direitos humanos.

Atualmente diversos desfiles e coleções de grandes marcas trazem uma visão de ideias ousadas. Projetos criativamente combinados com slogans ativistas, escolhas de elenco e expressões abertas, e divulgação em plataformas de mídia, cultivam uma nova era de consciência política na indústria da moda.

A Dior uma das mais tradicionais marcas do mundo da moda abriu seu desfile com uma modelo vestindo uma camisa de manga comprida com as palavras: “Why Are There No Great Women Artists?”. Esta frase é originária de um ensaio escrito pela feminista de Brooklyn, Linda Nochlin, que enfatiza as limitações e dificuldades que as mulheres enfrentam como artistas dentro da sociedade. Nochlin, como muitas outras feministas, visava estabelecer um curso de mudança em uma sociedade dominada pelos homens.

Poderíamos então pensar que a Dior estaria se preparando para uma revolução dentro da moda e da própria marca? Para isso vamos retomar um pouco da trajetória da marca nesses últimos anos.

Desde 1984, quando Bernard Arnault assumiu o controle de Boussac Saint-Frères, uma empresa têxtil problemática que detinha a Christian Dior, o magnata francês teve um apego particularmente forte à casa de alta costura, que se tornou a pedra angular do império LVMH.

Na época da aquisição, Dior teve uma história de prestígio que remonta ao Paris de pós-guerra, mas sua marca foi diluída por dezenas de acordos de licenciamento. Arnault começou a reafirmar o posicionamento de luxo principal do rótulo e cortar suas licenças, um movimento caro, mas finalmente visionário.

Ele colocou o Dior em um pedestal e, em seguida, visou desenvolver uma empresa que realmente combinava com sua imagem premium. Grandes alterações ocorreram até então dentro da estrutura da marca, que teve mudanças importantes como a chegada de Pietro Beccari, ex-presidente-executivo da Fendi, que se espera que Traga para a Dior um estilo de gestão mais moderno, aberto e com experiência digital. De acordo com Arnault, a nomeação de Beccari “sinaliza uma nova era” na marca. Certamente há mais mudanças para vir.

Desde que tomou as rédeas em julho de 2016, a diretora artística feminina Maria Grazia Chiuri trouxe uma abordagem ativista e inovadora para Dior. Embora o trabalho da designer tenha recebido críticas mornas de alguns dos principais críticos da moda, as vendas aumentaram desde que ela se juntou à casa. Os produtos mais vendidos incluem o saco clássico Lady Dior da marca, mas também os novos acessórios de culto projetados por Chiuri, incluindo seus saltos slingback com logotipo e fitas metálicas. Certamente, os antecedentes de Chiuri em acessórios – o gerador de receita real para a maioria das marcas de moda de luxo – ajudaram.

No entanto talvez um dos principais objetivos da revolução da Dior seja uma marca mais unificada – com homens e mulheres, Christian Dior Couture e Parfums Christian Dior totalmente integrado sob um diretor criativo. One Dior. Mas apesar das especulações, há poucos designers que podem supervisionar de forma credível o alcance total de uma marca complexa de vários bilhões de dólares, como a Dior, com seu legado forte em alta costura. Por um momento, parece que uma coordenação mais apertada entre as divisões é mais provável do que “One Dior”. Mas um dia a revolução poderá vir.

Mas voltando a falar do ultimo desfile e de Chiuri, ela incorporou a frase na coleção da Primavera para celebrar a talentosa artista feminina. Como diretora artística da marca, ela queria trazer uma nova e autêntica vibração para a moda. Sua abordagem está focada no ativismo e no feminismo. A estreia da pista Dior do “We Should All Be Feminists” slogan tee no S / S 2017 RTW marcou um grande impacto, pois foi sua primeira coleção baseada em idéias de ativismo amigável ao consumidor

“Eu quero que as mulheres se encontrem. Eu quero apoiar as mulheres na tentativa de encontrar peças que eles realmente gostam de que eles realmente realmente trabalhem com seu espírito “. Diz Chiuri.

A indústria da moda tem o potencial de fazer uma mudança provocando mudanças em torno de discussões políticas. Esta mensagem da Dior ressoou instantaneamente com milênios. Ativistas e manifestantes começaram a usar suas roupas para um propósito mais elevado, para enviar mensagens poderosas e lutar contra a injustiça política. Agora é a vez da Dior afetar o mundo da moda com a voz do feminismo. Mais marcas podem ser tão influentes em expressar fortes opiniões e movimentos que ressoam com outros com pesquisas em andamento e foco na violência e na discriminação.

Devemos também reconhecer o fato de que o ativismo não é uma tendência nem uma ferramenta para ganhar imprensa ou vendas, mas sim criar uma consciência política coletiva que está afetando nossa cultura.

 

 

 

 

Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*