Didi Krepinsky: de globetrotter a digital influencer

Já imaginou ter pego o seu primeiro vôo aos nove dias de idade? A it girl Didi Krepinsky @Didikrepinsky) viaja pelo mundo desde que nasceu, e não foi muito difícil transformar esta paixão em trabalho. Hoje, a digital influencer trabalha junto sua mãe – que possui uma operadora de viagens – e já visitou ao todo mais de 40 países! Conhecida por compartilhar seus cliques em lugares paradisíacos no Instagram, ela pretende ter, em breve, um espaço para compartilhar dicas de suas aventuras. Nós já estamos ansiosos para conhecer!

Há quanto tempo você viaja? Qual foi o primeiro destino e quantos lugares pelo mundo já teve a oportunidade de conhecer?

Não sei se vale, mas a minha primeira viagem foi com 9 dias de idade! Nasci nos EUA e vim pra São Paulo! Desde então nunca parei. Meus pais sempre me levaram para cima e para baixo, e com um ano de idade eu já estava na Áustria no meio da neve! Rodinhas no pé desde que nasci hahaha. Ao todo, já estive em mais de 40 países.

Como surgiu a oportunidade de transformar o prazer de viajar, conhecer novos lugares e culturas em trabalho?

Minha mãe é dona e fundou uma operadora de viagens há mais de 30 anos – a Interep! Sempre viajamos, mas até hoje 99% das minhas viagens são a lazer mesmo! Hahaha Apesar de ser uma paixão nunca pretendi trabalhar no ramo do turismo e nem com minha mãe (sou advogada por formação). Mas há 4 anos, quando voltei de NYC, comecei a trabalhar com ela e hoje não consigo me ver fazendo outra coisa! Vivo o universo de viagens 24h por dia.


Qual o seu lugar do mundo preferido?

Difícil essa hein…são tantos! Mas acho que atualmente Mykonos! Ah, e Miami, minha segunda casa!

Você já soma quase 70 mil de seguidores. Quando você percebeu que o Instagram podia ser uma forma de divulgação do trabalho que vem fazendo?

A Interep é uma empresa b2b e não atende o consumidor final, então acaba que não posso usar muito o meu Instagram para divulgação nesse sentido. Nós vendemos somente para os agentes de viagens. Entretanto, andei reparando o quanto as pessoas curtem acompanhar as minhas viagens e hoje acredito que apesar do overload de informação na internet, não é fácil filtrar as dicas boas e a maioria das pessoas nem tem tempo pra isso – porque demora! E muito! Enxergando tudo isso decidi criar um espaço para dividir minhas dicas e andanças pelo mundo e pretendo divulgar assim que ficar pronto!

No Insta nos vemos uma porção de fotos em lugares maravilhosos, com muitas vistas paradisíacas, boa gastronomia e lazer. Mas como é na pratica uma viagem sua de trabalho?

Como disse acima, 99% das minhas viagens são a lazer mesmo! É claro que acaba sendo uma maneira indireta de trabalho por que sempre aproveito para conhecer os hotéis da região, e acabo adquirindo experiências e dicas que depois posso repassar. As viagens de trabalho de fato são para feiras internacionais como a WTM de Londres, por exemplo, entre outras, que acontecem todo ano. Aí o ritmo é puxado e cansa muito, mal tenho tempo pra curtir o lugar! Mas não posso reclamar.

E perrengue, qual foi o maior que você já enfrentou em viagens?

Já tiveram vários, mas um que me marcou foi da época que eu morava em Firenze, na Itália. Eu e mais três amigos resolvemos fazer um road trip pela costa amalfitana e na volta, no meio da estrada, o carro da minha amiga quebrou. Era um conversível pequeno, só que inglês! Foi um drama para achar um mecânico na cidade mais perto, ainda mais um que falava inglês – porque a comunicação em italiano de termos mecânicos não estava fácil hahaha. Demorou horrores e ficamos presos em Pompei. A cidade é muito feia, não tinha nada para fazer e o único hotelzinho disponível era uma espelunca hahaha. Tivemos que passar a noite os quatro no mesmo quarto até consertarem o carro no dia seguinte! Nunca mais volto pra Pompei! Traumatizei Hahahaha


Fique por dentro de todas as novidades!

Cadastre seu e-mail e receba conteúdos exclusivos da Revista Catarina.

Seu endereço de e-mail*